CASO DANIEL ALVES

Caso Daniel Alves: Confira o depoimento dado por Daniel no último dia do julgamento

Último dia do julgamento acontece nesta quarta (07)

Imagem do autor
Cadastrado por

Nelly Sandra

Publicado em 07/02/2024 às 15:32 | Atualizado em 07/02/2024 às 16:50
Notícia
X

Chegou o último dia do julgamento do jogador Daniel Alves, preso desde janeiro de 2023 acusado de agredir sexualmente uma jovem no banheiro da Boate Sutton, no fim de 2022.  Após dois com diversos depoimentos incluindo da acusadora, chegou o momento do defensor falar sua versão.

De camisa branca e olhar atento as imagens mostradas na tela do tribunal, Daniel deu uma quinta e última versão do caso, alegando ter consumido muita bebida alcoólica na noite do ocorrido.

Confira na integra do depoimento do lateral-direito

"Sai com meus amigos para comer juntos. Era umas 14h30. A princípio íamos só comer. Fazia muito tempo que não nos víamos então ficamos mais tempo. Pedimos 5 de vinho, um uísque, um saquê. Mais ou menos uma e meia, duas garrafas de vinho, um copo de uísque. Depois de sair do restaurante, fomos direto ao bar. Ficamos aí um tempo, tomando uma rodada de gin tônica", iniciou seu depoimento.

"Quando saímos daí, nós fomos ao Sutton. Eu e Bruno seguimos, os outros foram para casa. Entre 2 a 3 da manhã. Eu entrei na discoteca e os funcionários me levaram para a reserva da mesa 6. Depois pedi para trocar para a 7 porque a 6 estava longe da pista de dança", continua.

"Quando chegamos na sala reservada, estávamos eu e Bruno dançando e seguimos por um tempo. Estavam duas meninas lá e ficaram por um tempo. Bruno que chamou as meninas. Um garçom trouxe o champanhe que havíamos pedido. Dançávamos bem próximos, de forma respeitosa. Sim, acho que elas sabiam que era eu porque mais de uma vez me pediram para tirar foto. Ficamos dançando pegado. Por um tempo a dançar mais próximo, começou a roçar suas partes nas minhas. Coloquei a mão e quando começou a pressão sexual, falei para ir ao banheiro, e ela disse que tudo bem. Não falou nada."

"Quando fui ao banheiro, disse a ela que iria primeiro e ela me deixou esperando um pouco. Baixei as calças, sentei no vaso sanitário, ela se ajoelhou e começou a me fazer sexo oral, ela estava na minha frente e começamos a relação. Lembro que ela sentou em mim. Não sou um homem violento. Não a forcei a praticar sexo oral forçadamente. Ela não me disse nada. Estávamos desfrutando os dois e nada mais".

"Cheguei em casa, Joana já estava dormindo, estava em casa na cama e dormi na sequência. Sim, estou dizendo o mesmo que das outras vezes. Soube pela imprensa que estavam me acusando", contou caindo no choro.

Tags

Autor